Tutorial SILHOUETTE STUDIO – Criando uma Caixa de Brigadeiros

Oi, Alices, tudo bem com vocês?

Dando continuidade aos tutoriais de design, o vídeo de hoje é sobre o software Silhouette Studio!

Ele é o programa utilizado com a máquina portátil de corte Silhouette. É uma máquina que consegue cortar papéis, vinis, adesivos e uma infinidade de outros materiais. Ela é beeeem famosinha no meio de quem trabalha com decoração e scrapbook. Gostaria MUITO de poder adquirir uma e ampliar a Papierlices mas no momento estou apenas aprendendo a mexer no programa!

O Silhouette Studio possibilita configurar arquivos  para o corte. No tutorial mostro como fazer uma caixa com visor superior, perfeita para armazenar brigadeiros e outros doces!

Uma grande dificuldade que vejo nos grupos relacionados à essa máquina e a decoração de festas é que as pessoas parecem ter um pouco de receio de fuçar tudo e criar seus próprios produtos. Ela é uma ferramenta maravilhosa de experimentação e é oferecida de graça no site da Silhouette – ou Sil, para os íntimos haha! Logo, se você está na mesma situação que eu, não tem a máquina mas já quer aprender alguma coisa para quando a sua chegar, vamos lá!!!

Ao invés de querer apenas o arquivo pronto, por que não tentar fazer os seus e ter um diferencial a mais em seu trabalho? Pense que cada vez mais as pessoas querem produtos personalíssimos e se existe um meio de fazer isso, vamos aproveitar!!

Espero em breve poder desenvolver mais tutoriais e peças, desvendando junto com vocês tudo o que esse programa tem a nos oferecer!

Não tenham medo de usar e de tentar, errar, errar e errar de novo! Assim que a gente aprende! Foi sozinha que aprendi a usar e mexer no Adobe Illustrator e estou seguindo o mesmo caminho com o Silhouette Studio!

Espero que gostem e me mostrem suas criações, vou adorar saber que estão usando o tutorial (:

Beijinhos e até o próximo post!


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest – Youtube

façaparte

Tutorial Planner de Páscoa (Adobe Illustrator)

· Segundo tutorial do Adobe Illustrator ·

Oi, Alices!!!

Mais um vídeo tutorial para vocês! O primeiro das ferramentas básicas que ensinei a servirá de base para os comandos do Adobe Illustrator que vou utilizar nesse segundo (:

Como mês que vem já é Abril, preparei um passo a passo de como fazer folhas decoradas com o tema da Páscoa!!

Como falado no vídeo, eu usei elementos do site Freepik, já que o foco do vídeo é mais diagramação do que criação de elementos! Ele tem muitas opções de variados temas e vetores, mas lembre-se de que se deseja comercializar suas criações que tenham esses elementos é preciso comprar uma licença de uso, tá? Outro site que uso e falo é o dafont , com ótimas opções de fontes free e pagas para seus projetos.

Ao final, o resultado foram 5 folhas decoradas em tamanho A4:

  • 2 folhas Pautadas
  • 1 folha de Planejamento Semanal
  • 1 folha de Anotações
  • 1 folha com Elementos para Recortar

O arquivo já pronto para impressão em .pdf pode ser baixado aqui para você usar de forma pessoal!

Estou adorando e achando muito divertido fazer esses tutoriais! Então aguardem mais vídeos nas próximas semanas (: Continuo recebendo dicas de temas para os próximos!

Não deixe de se inscrever no canal ou na Lista mais Criativa para ser o primeiro a receber as postagens!


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest – Youtube

façaparte

Desenhando no Adobe Illustrator (Tutorial-Frutas)

· Ferramentas Básicas para começar a ilustrar no AI ·

Oi, Alices!

No começo dessa semana liberei um vídeo para a Lista Mais Criativa onde mostro como eu faço a base para minhas ilustrações vetoriais (: Agora, estou disponibilizando para todos que leem o blog mas não fazem parte dela!

Se quer receber conteúdo de design e tutoriais direto na sua caixa de e-mail, é só clicar aqui para se inscrever!!

Para quem não sabe, eu tenho uma lojinha de Papelaria Criativa (a Papierlices) onde vendo convites e arquivos de personagens. Além disso, já trabalho com desenho vetorial desde antes de ter começado a faculdade! Mas só em 2015 eu migrei do Corel para o Adobe Illustrator – o AI – que na minha opinião é muito mais intuitivo e fácil de mexer. A maior dúvida do pessoal que quer começar a fazer seu próprio material é qual o melhor programa. Photoshop? Corel? Illustrator? Digo a vocês que não existe um programa pior ou melhor, o que vale é utilizar o que você tiver mais facilidade, se adaptar e tiver acesso.

O Tutorial mostra o básico do básico para quem quer começar a se aventurar no Adobe Illustrator. O fiz pensando especificamente em quem trabalha com lembrancinhas ou gosta de scrapbook e planners e escolhi como tema “frutas”. Nele mostro como desenhar utilizando a ferramenta formas e mais alguns outros recursos do Adobe Illustrator:

 

Já estou planejando outros tutoriais, que devem começar sair na semana que vem! Eles serão uma progressão desse primeiro, sempre mostrando a forma que trabalho e uma ferramenta nova!

Se quiser sugerir temas para os vídeos, pode usar os comentários, tá?

E não deixem de se inscrever no canal para que eu fique animada a produzir conteúdo!!


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest – Youtube

façaparte

 

Live Action da Pequena Sereia (Filme “The Little Mermaid”)

· Lançamento inesperado de trailer independente causou confusão entre fãs da Disney ·

Oi, Alices!!!

Eu planejava falar só por alto desse assunto – que inundou meu feed hoje – mas lendo alguns comentários em outros veículos pensei que seria melhor fazer um post todo dedicado à ela, a querida e amada Pequena Sereia <3

Se você não sabe ainda, hoje foi inesperadamente divulgado um trailer de um filme intitulado “The Little Mermaid”, mas que não tem nada relacionado com a sereia de cabelos vermelhos e personalidade forte “criada” pela Disney:

O Trailer começa com uma avó (Shirley MacLaine) nos dias atuais contando que Sereias existem para suas duas netas pequenas. Fica subentendido que ela é a narradora da história, e muito possivelmente a garotinha que aparecerá nas próximas cenas. Corta para a redação de um jornal onde um jovem (William Moseley) é escolhido para investigar se é real ou não o “Elixir Milagroso de Sereias” em pequena cidade do interior do Mississipi. Lá ele e sua irmã caçula encontram um circo onde a atração principal é uma garota (Poppy Drayton) em um tanque vestida de sereia. Daí entendemos que de alguma forma ela é obrigada a trabalhar lá e teve sua alma aprisionada em um cristal pelo próprio apresentador – e dono – do Circo. É nesse ambiente da cárcere e fantasia que a história se desenrola.

Apesar de na página oficial do filme constar que ele é inspirado no mesmo conto de “A Pequena Sereia” a única semelhança que consegui ver é que : em ambos a personagem principal é uma sereia. Só. De enredo, “The Little Mermaid” se assemelha muito mais com esse curta:

Que inspirou esse outro filme aqui:

Nos 3 vídeos conseguimos identificar em comum:

  • A época pelas vestimentas e ambientação (final do século XIX, começo do século XX).
  • O Circo como pano de fundo das tramas.
  • O Apresentador como uma figura que controla a Sereia.
  • A escolha da paleta de cores (tons amarelados, sépia)

O filme tem previsão de estréia em Julho de 2017.

Não demorou muito para algumas pessoas se revoltarem e taxarem o filme como uma “produção de quinta categoria, com efeitos especiais ridículos e falso” e questionarem onde estava o Linguado e o Sebastião…

A Ariel já faz tão parte da cultura pop que muitos nem sabem que ela não é uma personagem original, mas sim foi fortemente inspirada pelo conto de Hans Christian Andersen – que também escreveu A Roupa Nova do Rei, Polegarzinha e a Princesa e a Ervilha –  escrito no século XIX ! Nele, a pequena sereia não se chama Ariel, tampouco é ruiva, sofre muito mais e no final acaba virando espuma do mar.

Mas mesmo muuuuito antes disso, as sereias já faziam parte do imaginário e da mitologia,  descritas como verdadeiros monstros do mar, belas mulheres que se transformavam em seres de dentes e garras afiados e não como as criaturas graciosas e lindas que vemos representadas hoje.

 A Disney consegue criar conceitos e ambientes tão perfeitos – e bem divulgados – que muitas vezes esquecemos que os contos tem uma natureza diferente daquela ilustrada pelo estúdio americano. E além disso: foram escritos e criados por terceiros em partes da história não tão recentes assim!

Então ao invés de julgar, de criticar um filme que ainda nem estreou, que traz uma proposta diferente e uma outra história, por que não saimos de nossas caixinhas e damos uma chance a essas experimentações fora da Disney? Afinal, muitos contos já são literatura de domínio público e podem ter feitas diferentes versões!

Não duvido que os produtores tenham se aproveitado do gancho da tendência das produções liveaction e do lançamento de A Bela e a Fera semana que vem – esse sim oficial da Disney! – e terem escolhido o mesmo título (convenhamos, podiam ter chamado só de “A Sereia”), mas prefiro assistir antes para julgar depois (:

E vocês? Assistiriam ou liveactions só da Disney para serem ótimos?

*as imagens desse post foram retiradas de sites de divulgação ou mecanismos de busca de imagens


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest – Youtube

façaparte

Resenha de Série: The OA (Original Netflix)

Oi, Alices! Tudo bem com vocês?

Vocês sabem que eu adoro séries e estou sempre procurando conteúdo novo para assistir! Como as séries que eu assisto e gosto estavam em dia (ufa!), decidi apostar em uma que muita gente andou falando e gostando, comparando com Stranger Things e indicando para assistir : the OA.

The OA é uma série original da Netflix classificada como um Drama/Fantasia/Mistério. Amo a Netflix que cada dia que passa mais e mais <3 nada como poder ter acesso a um conteúdo variado, pagando um preço justo (torcendo para que continue assim!!!)

Como os outros posts de resenha review que faço, ele contém spoilers sobre a série e seus personagens, então se deseja assistir sem saber de nada, aconselho parar de ler por aqui!!!

*

*

*

*

*

*

*

*

*

*

Como falei lá em cima é uma série classificada no gênero da Fantasia, Drama e Mistério. São 8 episódios de cerca de uma hora cada – todos liberados de uma só vez, como a Netflix geralmente faz, no esquema binge-watching. A série narra a história de Prairie Johnson, uma menina cega que é sequestrada no final de sua adolescência e seu retorno repentino passados 7 anos. Detalhe: ela reaparece enxergando e cheia de cicatrizes estranhas.

Prairie Johnson e um dos mistérios da série: como ela voltou à enxergar?

Ao desenrolar da trama, vamos descobrindo aos poucos sobre o cativeiro de Prairie, seu passado na Rússia e que ela possui poderes especiais. Mas não, essa não é uma série de super-heróis nem do bem contra o mal. É uma série sobre relações humanas, empatia, sobre aceitar o diferente e sobretudo como o amor pode ser uma arma poderosa.

O Enredo:

Após retornar de seu cativeiro, Prairie passa a ser considerada um verdadeiro milagre e assediada pela população de uma pequena cidade do interior, que deseja saber a qualquer custo o que aconteceu com ela nos anos de cativeiro. Ela então se isola em casa, super protegida e vigiada por seus pais, até o momento em que necessita de acesso à internet para procurar notícias dos outros cativos e pede ajuda a seu vizinho, o problemático Steve Winchell, um adolescente brigão.

Em troca de um roteador wi-fi ela ajuda Steve se passando por sua madrasta em uma reunião escolar e o livrando de uma expulsão. A farsa dura pouco e Prairie é exposta como uma aproveitadora de menores, passando a ser vista como uma pessoa perigosa e estranha àquela comunidade.

No entanto, Steve não desiste de sua nova amiga e passa a ajudá-la em sua missão de encontrar os outros cativos. Juntam-se a eles outras quatro pessoas, todas com um background com algum tipo de perda: Buck, um menino trans que não é aceito por seu pai;  Frenchie, um adolescente estudioso que sustenta sua mãe e dois irmãos menores; Jessie, garoto desinteressado, braço direito de Steve e que vive com a irmã após o abandono do pai e suicídio da mãe e BBA, uma professora que acaba de perder seu irmão gêmeo para uma overdose.

BBA e Jesse

Eles se encontram toda noite em uma casa abandonada para que Prairie conte sua história e os explique o que é preciso para ajudar os outros sequestrdos. Eles são os únicos a saber o que aconteceu à ela nesses 7 anos e anteriormente, sobre sua infância e seu desejo de reencontrar o pai biológico. Prairie não conta a polícia o que aconteceu, com receio de que isso possa destruir a condição dos outros cativos e atrapalhar sua sobrevivência.

Em cada episódio vamos descobrindo junto com o improvável grupo o que realmente aconteceu, a história de cada cativo, porque eles foram raptados e também o histórico do sequestrador, assim como os poderes de Prairie e como foi possível que ela voltasse a enxergar.

O final é aberto e fica o gostinho de uma segunda temporada.

Minha Opinião:

Como um todo eu gostei bastante, é uma história diferente e que realmente foge do padrão, prende o espectador pois as respostas são dadas a cada episódio em medidas homeopáticas. Senti falta do desenvolvimento de alguns personagens, como Buck e Jesse (BBA, Steven e Frenchie têm parte de sua história e família revelados e com passagens dedicadas a explicações), mas vejo muito potencial se a série continuar . Semelhante a Stranger Things somente o fato de também ter sido produzida pela Netflix…fora isso, nada!

Uma curiosidade é que a série é estrelada E escrita pela Brit Marling, que também escreveu e atuou em “A outra Terra” (2011), um filme que é fantástico e um verdadeiro tesouro!!! Ela também tem como produtor executivo o Brad Pitt.

A série tem nota 8 no IMDB, que é uma nota relativamente alta!

*as imagens desse post foram retiradas de sites de divulgação ou mecanismos de busca de imagens


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest – Youtube

façaparte

O que é o Estilo Tumblr?

· Parte 2 - Guia do Estilo ·

Oi, Alices! Tudo bem com vocês?

Reta final para começar 2017! Uhul!!! Estão animadas?? 2017 será um ano de muitas mudanças e novos projetos (:

Aproveitando que sempre no final de cada ano gosto de rever tudo que fiz durante o período, organizei os números do blog, visitações e conteúdo mais lido e descobri que muitos chegam até aqui por conta da postagem que fiz sobre o “estilo tumblr“!

Nada mais justo então do que dar continuidade a esse tema, um tanto quanto polêmico por conta da nomenclatura que recebeu…Controvérsias à parte, como já dei o pontapé inicial na definição desse estilo por aqui, vamos que vamos!!!

Como eu expliquei no outro post, existe toda uma cultura surgindo de redes sociais, nada mais condizente com o tempo que a gente vive e como a interação social virtual é quase que obrigatória. Eu vejo as redes sociais como difusoras de estilos e o tumblr por ser uma rede praticamente imagética acabou por se tornar uma ótima fonte de informação.

Quando começamos a ver uma cultura ganhando espaço fora do ambiente que elas surgiram (Sejam as ruas ou como no caso do estilo tumblr uma rede social) e sendo consumida por grande parte da população como tendência, dizemos na área da que essa cultura foi consolidada e está em seu ápice – ela nasce para uma pequena quantidade de pessoas, é difundida por alguns trendsetters, alcança o grande público e, se é substituída por uma outra tendência, ela acaba. Ainda é cedo para dizer se é um estilo passageiro ou não, ele se enquadra no estilo esportivo mas tem características muito próprias para ser só isso.

Óbvio que a grande parte das pessoas não conhece esse estilo como “tumblr”, eu mesma não o chamaria assim mas como já comecei a chamá-lo e muita gente o procura com essa alcunha é como irei o identificar. Ele está dentro do revival da moda dos anos 1990 exatamente por ser muito semelhante. E também não é o único estilo que já surgiu de uma rede social (e também não é o único do tumblr).

Se você gostou do estilo tumblr e quer segui-lo – o que é uma ótima oportunidade e timing ideal, já que praticamente todas as lojas que trabalham com lançamento de tendências e pautam suas coleções no que está em foco estão vendendo produtos que podem ser usados e considerados parte dele – fiz esse post para você <3

Características do Estilo

É um estilo esportivo, despojado, confortável e urbano. Ele é focado em materiais como jeans, malhas, veludos e sintéticos. As cores principais são: preto, branco, cinzas, vinhos, azuis e rosas. As estampas aparecem em formas geométricas (listras, triângulos…) e também localizadas em frases, logos, numerais e desenhos gráficos simples bordados ou silkados. Os principais acessórios são em couro e aparecem como chapéus, gargantilhas e pulseiras. Nos pés, tênis e releituras do famoso sneaker da Adidas.

Tops

Valfré, Pink Vanilla e Romwe

Moletons, tricôs, camisetas com frases, bomber jackets. As camisetas aparecem com frases bordadas, bolsos e em cores básicas, como branco, cinza e rosa/azul. Jaquetas jeans misturadas com tricô ou que tenham forro em outro material. Talvez sejam o item mais fácil de conseguir comprar! Há muitas opções no mercado (:

Bottoms

Forever21

A parte de baixo dos looks são: saias A, leggings, jeans rasgados e modelo Mom (sim, aquele que sua mãe usava quando você era criança haha!) ou Boyfriend, que são modelagens mais retas e altas, moletons, saias em malha canelada. São itens confortáveis e que vem sempre acompanhados de tênis.

Vestidos

C&A, Riachuelo e Cali

Em malha, justos, com decotes e fendas. Combinação vestido + Camiseta – marca dos anos 1990, os chamados slip dresses que se assemelham a camisolas de modelagem simples. Os modelos mais comuns são os esportivos tipo camisetão, os que tem decote nadador e sem mangas e os feito em malha canelada.

Acessórios

Passarela, Elephant, Forever21 e Cali

Óculos aviador, gorros, chapéus, acessórios prateados e metalizados, tênis Adidas/esportivos, salto tratorado, body/maiô, choker, piercing de septo indiano.

Make

Olhos marcados com máscara e delineador (acompanhados ou não de cílios postiços), coutouring nas bochechas, batons foscos e boca grande, sobrancelha delineada e grossa, corrigida com maquiagem.

 Cabelos

 

O cabelo é a parte mais “livre” do estilo, já vi de tudo um pouco e as opções são variadas: Tranças Boxer, coques, franja, ondas, cabelo fingindo estar bagunçado, cores fantasia e muito ombré.

Aproveitem que boa parte das coleções das grandes lojas de departamento investiram pesado nessas releituras de 1990 e de produtos esportivos. Existe uma infinidade de opções além delas, como lojas que vendem diretamente pelo Instagram ou pelo Whatsapp, basta procurar pelas tags específicas. Algumas pessoas não gostam quando um estilo que elas amam e seguem passa a ser mainstream e conhecido, mas eu vejo como uma ótima oportunidade de se conseguir produtos sem a necessidade de importação ou de garimpo!

Falando nisso, procurar em brechós também é uma dica valiosa!! Procurem por feiras nas cidades de vocês, esse é um hábito e modelo que voltou com força total, pensando no consumo consciente !!

Espero que tenham gostado! Acharam que ficou completo? Faltou alguma coisa? Me conta aqui nos comentários!!!

 


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest – Youtube

façaparte

 

Usando Copics

· Tudo que você precisa saber sobre as Copics ·

Oi, Alices tudo bem?

Sei que muitos acompanham o blog e assinam a lista pois querem receber dicas de ilustração e artes! Então, no post de hoje eu comentarei sobre as Copics, material que elegi para desenvolver meu trabalho atual e que eu adoro e ultra indico!

Ganhei minhas primeiras copics no meu aniversário de 2015 (Obrigada, amor!!!). Eu havia visto alguns tutoriais e achado o material incrível e precisava disso na minha vida!!! Para minha decepção meus desenhos e resultados não saíram tão incríveis assim hahaha acabei deixando o material de lado já que não estava sabendo como usar e só voltei treinar de novo em Julho de 2016! (Vejam bem, eu faço aniversário em AGOSTO, elas ficaram encostadas por quase um ano, coitadas!!!)

Mas como conhecimento é poder, vou passar algumas dicas para que vocês não cometam os mesmos erros que eu e fiquem frustrados e desistam de usar o material!!!

Ilustração com Copics

Algumas das ilus que fiz com as copics!

Escolhendo quais Canetas comprar

As Copics são canetas do tipo marcador, com tinta à base de álcool e que possibilitam pintar degradês de forma prática e são fabricadas no Japão.

As Copics são canetas do tipo marcador, com tinta à base de álcool e que possibilitam pintar degradês de forma prática e são fabricadas no Japão. Já testei outros marcadores mas nenhum que chegue aos pés da Copic. Não é puxa-saquismo e nem estou ganhando para falar isso, elas são realmente um ótimo material para trabalhos variados.

Infelizmente elas não são como outro material – tipo aquarela ou guache, tintas em geral – e você precisará ter uma quantidade relativamente boa de canetas para atingir degrades e melhores resultados. Não estou falando para ter todas as quase 400 cores (é coisa para caramba!!) mas ilustradores mais experientes do que eu indicam ter pelo menos 70 canetas. É, bem por aí mesmo ): Mas nada te impede de ir começando sua coleção aos poucos, foi assim que eu fiz.

Tampouco adianta o pensamento de “ahn, vou comprar uma caneta de cada cor” – uma azul, uma verde, uma amarela e por ai vai. O ideal é comprar os kits que eles oferecem, pois as canetas já vem com uma harmonização e vão trabalhar bem juntas.

Alguns dos Kits de 6 Cores Skech. Fonte : Site Dezaina.

As canetas tem grupos de família de cores (BV, V, RV, R, YR, Y, YG, G, BG, B, E, C, T, N, e W) e o número que cada uma contém é referente a saturação e o brilho.

Por exemplo, a caneta BG05 é do Grupo Blue Green , com 0 de saturação (o 0 sendo o mais saturado e o 9 menos saturado) e 5 de brilho (sendo o 0 o mais claro e o 9 o mais escuro). Se você entende de harmonização de cores e círculo cromático isso auxilia muito na hora de escolher as canetas e entender o sistema da copic. Mas para quem é leigo eles oferecem kits que já vem harmonizados, então é só alegria!!

Eu comecei com o kit Floral Favourites 2 e algumas canetas avulsas (com aquele pensamento errado de ter uma de cada cor…minha sorte foi que os tons que escolhi acabaram combinando!). Foram essas que ganhei de aniversário! Depois, já assessorada por minha professora Patrícia Capella (se você for do Rio e tiver a oportunidade faça os WS que ela organiza!!!) comprei o Kit Floral Favourites 1 e estava apta e pronta para desenhar quase todas as flores do universo haha!! Minha última aquisição foi o Kit de 72 Copics tipo “D” e digo: valeu todo meu investimento!!!! Ao todo tenho cerca de 90 canetas.

Quanto mais canetas de uma mesma família e com suas variantes de saturação e brilho você tiver melhor são os resultados!!!

Mais ilustrações. A orquídea amarela foi minha primeira finalizada, já nas aulas com a Patrícia Capella!

Ciao, Sketch, Classic ou Wide?

A tinta é a mesma em todas as canetas. O que varia é a quantidade e o formato do recipiente delas e as pontas.

A tinta é a mesma em todas as canetas. O que varia é a quantidade e o formato do recipiente delas e as pontas.

Ciao e Sketch tem as mesmas pontas (Pincel e Marcador), mas a Sketch vem com 30% a mais de tinta. A Classic vem com a ponta tipo “marcador” e uma ponta arredondada. A Wide vem com pontas maiores e são recomendadas para quem trabalha e ilustra lettering e afins!

Ciao e Sketch tem a maior variedade de cores de fábrica! E também mais opções de kits.

Eu tenho os Kits da Sketch e algumas Ciao avulsas. Honestamente não vejo diferença entre elas, a não ser que a Ciao possibilita que você prenda a tampa da caneta nela mesma, o que evita a confusão de depois colocar uma tampa em uma caneta diferente e confundir futuramente as cores :~

As pontas do modelo Sketch (que são as mesmas da Ciao). Fonte: site Dezaina.

E quando a tinta acaba?

Quando a tinta da caneta acaba, ou por ventura do destino ela resseca, você recarrega a caneta com um refil que pode ser reutilizado até 15 vezes dependendo do seu modelo de caneta. Ou seja, é um material que tem uma vida útil extremamente longa e que só deve ser descartado se houver algum defeito (rachadura na caneta que impeça você de utilizar)

A ponta da minha Copic estragou e agora?

Basta substituir a ponta por uma nova (:

Deu para perceber que é um material durável e que te oferece todas as possibilidades de reuso!! É um material caro, mas o custo benefício é  ótimo, já que você não vai ter que descartá-las quando a tinta acabar – diferente de outros marcadores.

Como armazenar as Copics?

Os kits a partir de 12 unidades vem com embalagens de acrílico, o que permite que as canetas fiquem na posição vertical. A própria Copic oferece uma série de estojos e vende caixas de acrílico avulsas. Por uma questão espacial, eu guardo as minhas em dois estojos de tecido e longe do sol, para que elas não ressequem.

Posso usar com outras técnicas de pintura?

Sim! Mas só depois de finalizar tudo que deseja com as Copics! Outros materiais podem danificar e sujar as pontas. Lembre-se também de apagar o máximo possível as linhas feitas à lápis antes de colorir, pois uma vez que a tinta das Copics fica por cima de linhas guias, você não vai conseguir apagá-las ):

Qual tipo de papel devo escolher?

A escolha do papel é fundamental para que o uso delas dê certo. Como é uma tinta à base de álcool, o papel suga muita tinta o que acaba por descartar de cara papéis com baixa gramatura.

A escolha do papel é fundamental para que o uso delas dê certo. Como é uma tinta à base de álcool, o papel suga muita tinta o que acaba por descartar de cara papéis com baixa gramatura. Por conta desse mesmo atributo jamais use suas copics com papéis texturizados ou para técnicas de aquarela!!! Isso vai fazer sua caneta durar muito menos e impossibilitar que você consiga colorir em degradê!! ESSE FOI MEU PRIMEIRO E MAIOR ERRO ! Comecei a usar as copics com papel de aquarela e os resultados foram frustrantes e desastrosos!

A própria Copic oferece papéis para seu uso (gosto do Paper Selections 6, o que tem a embalagem roxa) !

Uma alternativa nacional é o papel da Filipaper Diplomata. Porém tive experiências diferentes com esse papel: os primeiros que comprei serviram muito bem, mas comprei alguns blocos que simplesmente não rolou. É uma roleta de sorte mesmo ):

Em resumo: o papel precisa ter uma gramatura média e ser liso!!

 

Ufa! Muita coisa para ler até aqui, rs!!! Procurei responder as principais dúvidas, mas caso tenha alguma outra pergunta, podem fazer nos comentários!!

 


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest – Youtube

façaparte

 

Séries Retrô para Assistir nas Férias

· Ambientadas entre 1910 e 1950 ·

Oi, Alices ! Tudo bem??

Chegou a hora do ano que a maioria de nós tira aqueles dias gostosos e merecidos de férias. Então nada melhor do que algumas dicas para quem já está com as séries em dia (ou não rsss!) e busca novo conteúdo para acompanhar. Sou viciada em séries e tenho um carinho mais do que especial pelas de época, com todo aquele visual retrô!

Me encanta muito todo o cuidado de pesquisa e elaboração de figurinos e cenários <3 Fiz essa lista com meu #top5 de séries retrô ou vintage, ambientadas entre 1910 e 1950. Elas estão organizadas em ordem cronológica.

 

1 -Filhos da Guerra (In Vlaamse Velden)

Status: Finalizada – 10 episódios

Ano de Estreia: 2014

Ambientada em: Bélgica de 1910

Por que Assistir?  Essa é uma das deliciosas surpresas que existem no Canal + Globosat. O canal tem muitas opções de séries ótimas e essa é uma delas! Conta a história da família Boesman durante a primeira guerra mundial e foca em sua filha enfermeira Marie e os filhos Guillaume e Vincent que estão no front. Atenção que essa série é homônima a outra produção alemã, sendo esta ambientada durante a segunda guerra mundial!!!

Episódios Disponíveis: Now – Canal + Globosat

Nota no IMDB: 7,2

Dois irmãos são convocados para a primeira guerra e obrigados a amadurecer rapidamente, durante a invasão alemã à Bélgica no verão de 1914. Eles são filhos do Dr Boesman, figura importante e conhecida na cidade. A série mostra as dificuldades passadas pelas famílias belgas, as invasões sofridas à suas residências, a obrigação de viver junto com seu inimigo e o temor pela vida de seus filhos que estão distantes. A série engloba todos os anos da Primeira Guerra e se encerra em 1918, dois meses antes de seu fim. Apesar de seu figurino e ambientação impecáveis, a série tem pouco desenvolvimento emocional dos personagens ):

 

2 – Miss Fisher’s Murder Mysteries

Status: Ainda em Produção (3 Temporadas)

Ano de Estreia: 2012

Ambientada em: Austrália da década de 1920.

Por que Assistir? Apesar do movimento sufragista e feminista datar da virada do século XIX para o XX, foi no final da primeira guerra mundial que as mulheres começaram a se emancipar em maior quantidade. É nessa conjectura que surge Miss Fisher, uma mulher investigadora e independente!

Episódios Disponíveis: NET Now – Canal + Globosat (A Partir da Segunda Temporada) e Netflix (Todas as Temporadas)

Nota no IMDB: 8,4

Phryne Fisher é uma mulher nada convencional: ela é uma investigadora particular em uma Melbourne de 1920, solteira por opção, sabe pilotar um avião e tem seu próprio carro. Criada originalmente em 1989 por Kerry Greenwood, Miss Fisher’s Murder Mysteries  é a versão televisiva de uma série de 18 livros. Em cada episódio ela resolve um mistério diferente, as vezes com a ajuda do policial Jack Robinson (mas ela sempre está mais adiantada do que ele nas investigações!)

 

3 – The Crown

Status: Ainda em Produção

Ano de Estreia: 2016

Ambientada em: Inglaterra da década de 1950

Por que Assistir?  Conta a trajetória da Rainha da Inglaterra Elizabeth II, a monarca a ocupa por mais tempo o trono inglês. Espere encontrar muita pompa, pois a Netflix – produtora da série – investiu pesado na produção: a mais cara do serviço de streaming. Bônus para Matt Smith como Filipe, Duque de Edimburgo!!!

Episódios Disponíveis: Netflix (Já que é produzida pela mesma)

Nota no IMDB: 9,0

Com a morte do rei George VI após pouco mais de uma década de reinado, Elizabeth II aos 25 anos teve de assumir o trono do Reino Unido. Não destinada a ser monarca – já que seu pai não era o primogênito e ela era a terceira na linha de sucessão – a série mostra os primeiros anos do Reinado, sua relação com Wiston Churchill e a nova configuração do mundo, com o fim do Império Britânico e o controle das Índias, além das consequências da segunda guerra mundial.

 

4 – Outlander

Status: Ainda em Produção (3 Temporadas com mais duas temporadas garantidas)

Ano de Estreia: 2014

Ambientada em: Escócia de 1940/1740

Por que Assistir?  A série se passa em duas ambientações: na Escócia pós segunda guerra mundial e na Escócia pré jacobitas, dois momentos de extrema importância para a configuração do que é hoje a Grã-Bretanha. Além da enorme carga histórica, a série é muito rica em ambientação de figurinos e cenários.

Episódios Disponíveis: Netflix (Temporada 1)

Nota no IMDB: 8,5

Mais uma série que é baseada em livros: no Brasil eles chegaram com o título de “A Viajante do Tempo”, da escritora Diana Gabaldon. Claire Randall é uma enfermeira que serviu na Segunda Guerra Mundial. Ela e o marido retornam da Guerra após ficarem anos separados e resolvem ter uma segunda lua de mel na Escócia. Misteriosamente após visitar um Círculo das Fadas ela é transportada de volta para 1743. Agora Claire precisa descobrir uma maneira de voltar para seu tempo e enquanto fica dividida entre dois amores: seu marido do presente e um guerreiro escocês do passado.

 

5 – Call the Midwife

Status: Ainda em Produção (5 Temporadas)

Ano de Estreia: 2012

Ambientada em: Inglaterra da década de 1950.

Por que Assistir? Primeiro é uma série da BBC! Segundo são relatos reais de uma Londres pós segunda guerra mundial e uma verdadeira história sobre o sistema de saúde inglês. A profissão de parteira ainda tem um papel fundamental e central na vida das grávidas!

Episódios Disponíveis: Netflix

Nota no IMDB: 8,4

A série retrata as memórias da parteira Jennifer Worth na Londres pós segunda guerra mundial, originalmente lançada em uma trilogia de 3 livros. A assistência médica ao parto ainda era uma novidade assim como alguns métodos e procedimentos de saúde. A Jenny do começo da série é ingênua, inexperiente e sonhadora, acabou de se tornar parteira e percorre os subúrbios da cidade atendendo suas pacientes em casa, em sua maioria de um núcleo familiar da classe dos trabalhadores. Na série a acompanhamos seus medos e seus anseios, com a narração de uma Jenny mais idosa (interpretada por Vanessa Redgrave).

 

Essas foram as séries!! Existem muitas outras que adoro rs! Se quiserem faço mais listas (: quem sabe uma só de séries ambientadas no século XIX!!


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest

façaparte

Wallpaper Freebie de Dezembro – Feliz Esquilo!

· Último Wallpaper de 2016 - Feliz Esquilo! ·

Oi , Alices!

Já chegamos em Dezembro! Esse ano passou voando que nem vi!!!! Um ano de muitas realizações e de muito trabalho (:

Para comemorar o último Wallpaper de 2016 tem um ar natalino e um esquilo bem fofo!  Esse é o terceiro wallpaper todo ilustrado por mim, cada um que fica pronto me dá uma alegria enorme. Estou criando mais e pensar no projeto ajuda muito a querer desenhar algo exclusivo ! Fiz os desenhos com Copics e já preparei para vocês um post falando da minha experiência com esse material, como começar e como comprar.

Falando sobre os outros wallpapers, o de Novembro foi o mais baixado até agora! Só tenho a agradecer vocês, que acompanham minhas criações e trabalho (: Foram 9 modelos de Wallpaper desde Março! Para 2017 vou continuar com esse projeto e espero fazer todos os 12 meses, vamos que vamos!!

realista-mac

mockupdezembro

Para baixar:

Wallpaper Wide

Wallpaper

Phone

Tablet

Assim como os outros Wallpapers e conteúdos que disponibilizo, fica proibida a comercialização e a redistribuição ! Eles são para uso pessoal, apenas!

Aproveitem e me digam o que acharam!!


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest

façaparte

Wallpaper Freebie de Novembro – A Lebre

· Com Calendário para decorar sua área de trabalho (: ·

Oi, Alices!

Sei que estou MUITO em falta com vocês!!!! Outubro passou voando que nem senti D: (assim como todo ano de 2016, oi?) e acabei não disponibilizando nenhum wallpaper para vocês ):

Mas Novembro chega na maior alegria e com um wallpaper MUITO especial: Wallpaper A Lebre (nossa Ana, quanta criatividade nesse nome haha!).

É o segundo que faço com ilustrações inteiramente minhas (o primeiro vocês podem baixar por aqui ó) (: Desde que fiz o intensivo de aulas com a Patrícia Capella ando praticando bastante pintura e ilustração com as amadas copics (acho que isso vale um post inteiro de tão maravilhosas que elas são!!). Quero agora produzir e oferecer à vocês conteúdo que tenha apenas ilustrações minhas, isso torna os wallpapers e itens muito mais especiais, vocês não acham?

Retornei às versões com calendário, pois recebo muitas mensagens me cobrando! O último que fiz não teve, acho que sentiram falta hehe!

Eu amooooooo desenhar animais e esse clima mais fofo, então esse wallpaper já é um dos meu favoritos com certeza!!!!

listamaiscriativa-novembro

Para baixar:

Widescreen 1920 x 1080

1600 x 1200

Phone

Tablet

 Se postarem nas redes sociais não deixem de usar a tag #blogwaf para que eu possa acompanhar, tá? Vou adorar ver vocês usando algo que elaborei com muito carinho e prazer.

Lembrando que a utilização desses Wallpapers é pessoal e é proibida a revenda ou redistribuição!!! Vamos valorizar o design autoral e os artistas nacionais!!!

Beijinhos e um ótimo mês de novembro para todos nós, cheios de novos planos !


Para saber de todos meus projetos e dia a dia, siga também por aqui, ó:

InstagramFacebookPinterest – YouTube

façaparte